Quem sou eu

Minha foto
São Carlos, SP, Brazil
Sou alguém que,ao conhecer a fé raciocinada,pôde realmente compreender as vontades de Deus e os ensinamentos do Cristo,embora seja ainda errante,tenho vontade de aprender cada dia mais. "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim." ( Chico Xavier ) Sejam todos bem vindos!!!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

AMIZADE É UMA BÊNÇAO DE DEUS!!!


Olá, queridos amigos, estou hj aqui para lhes pedir perdão, pela minha ausência,comecei a trabalhar, depois de longos 8 meses á procura.Acredito que com vagar irei me adaptar á rotina e reservar um tempo,que pera mim é um imenso prazer,para estar aqui junto de vocês,todos os dias,mas enquanto não reorganizo,postarei quando me for possível,um grande abraço fraterno a todos vcs .

deixo hj aqui um SELINHO que criei,simples, mas com muito amor,a vocês amigos queridos que me seguem,levem todos,fiz para vcs

domingo, 26 de setembro de 2010

ORGULHO E HUMILDADE


1. INTRODUÇÃO

O objetivo deste estudo é mostrar que a humildade é o fundamento de todas as virtudes. Para isso iremos tratar do orgulho, da humildade e das orientações evangélicas a respeito do tema.

2. CONCEITO

Orgulho – Sentimento de dignidade pessoal; brio, altivez. Conceito elevado ou exagerado de si próprio; amor-próprio demasiado; soberba. É o sentimento da própria grandeza real, existente no íntimo de cada ser, mas transbordado ou desviado do seu verdadeiro curso.

Humildade. Do latim humilitas, de humilis = pequeno. Virtude que conduz o indivíduo à consciência das suas limitações. O humilde não se deixa lisonjear pelos elogios ou pela situação de destaque em que se encontre. Todo sábio é humilde, porque sabe que só sabe pouco do muito que deveria saber. (Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo)

Rel. virtude cristã, oposta à soberba, muito recomendada por Jesus.

3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1) No Antigo Testamento fala-se muitas vezes em humilhar no sentido de oprimir, derrotar, abusar: assim, o faraó humilha os hebreus, o homem, a sua mulher e seus filhos.

2) No Novo Testamento Jesus dá-nos diversas recomendações sobre a humildade, virtude que se opõe ao orgulho.

3) Extraído do capítulo VII – Bem-Aventurados os Pobres de Espírito – de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Refere-se às instruções dos Espíritos.

4) O par de termo orgulho-humildade revela a polaridade do nosso pensamento. Precisamos partir do negativo para chegar ao positivo. Nesse mister, convém lembrar que todo o progresso nasce do que lhe é contrário. Com efeito, toda a formação é o produto de uma reação, assim como todo efeito é gerado por uma causa. Todos os fenômenos morais, todas as formações inteligentes são devidos a uma momentânea perturbação da inteligência. Nela há dois princípios subjacentes: um imutável, essencialmente bom, eterno; outro, temporário, momentâneo, simples agente empregado para produzir a reação de onde sai cada vez a progressão dos homens.

5) Há uma lei universal dos rendimentos decrescentes em que todo o excesso conduz ao seu contrário. No caso específico, o excesso de orgulho transforma-se em humildade e o excesso de humildade em orgulho.

4. ORGULHO

4.1. CONDIÇÃO DO ESPÍRITO REENCARNANTE

De acordo com os pressupostos espíritas, o Espírito, ao longo de suas inúmeras reencarnações, acaba escolhendo as situações que enveredam mais para o orgulho do que para a humildade. A razão é simples: há mais facilidade de se entrar pela porta da perdição, pelos prazeres da matéria. Em termos bíblicos, a opção pelo prazer começou com Adão e Eva. Naquela ocasião Eva, tentada pela serpente, comeu o fruto proibido e foi, juntamente com Adão, expulsa do Paraíso.

4.2. TER VALE MAIS QUE SER

O homem precisa possuir alguma coisa; o nada lhe amargura a vida. Por isso, a sigla de “doutor”, mesmo no meio espírita. Quantas não são as pessoas que se vangloriam de assim serem chamadas. Não é uma espécie de orgulho, de vaidade? Sempre que alguém quer saber algo a nosso respeito, não nos perguntam o que somos, mas o que temos, ou seja, profissão, bens, propriedades, religião etc. Em virtude disso, apropriamo-nos de alguma coisa, mesmo que essa coisa não nos satisfaça interiormente, pois isso nos dá uma certa segurança. Contudo, observe a mudança de comportamento daquelas pessoas que repentinamente ficam ricas, ou são escolhidas para ocupar uma posição de destaque. Geralmente o orgulho e a soberba assomam-lhe à cabeça. Já não tratam mais os seus como antigamente.

4.3. APEGO AOS BENS MATERIAIS

Conforme vamos adquirindo mais bens, mais ainda vamos desejando. De modo que a insaciabilidade dos desejos humanos induz-nos a procurar sempre mais, à semelhança daquele que consome droga. Este começa com pequenas quantidades; depois, tem que aumentá-las, pois o pouco já não satisfaz as suas necessidades. Quanto mais tem, mais necessidade fabrica. A necessidade acaba torturando a maioria dos seres viventes. Aliado à posse de bens materiais, há o medo: de que seremos roubados, de que não teremos o que comer etc.

5. HUMILDADE

5.1. OS POBRES NÃO NECESSARIAMENTE SÃO HUMILDES

Ao vermos uma pessoa mal vestida, de semblante sofrido e modo simples de se vestir, emprestamos-lhe as características de uma pessoa humilde. Contudo, o exterior nem sempre revela com segurança o interior de um indivíduo. É preciso verificar a essência de sua alma. Quando Jesus falava dos pobres de espírito, Ele se referia à humildade, pois há muitos pobres que invejam os ricos, de modo que eles são mais orgulhosos do que aqueles que possuem recursos financeiros em abundância.

5.2. UMA SÓ COISA É NECESSÁRIA

O Espírito Emmanuel, comentando o texto evangélico, diz-nos que uma única coisa é necessária para a evolução da alma: atender aos ensinamentos de Jesus. Quando o homem se compenetra dessa condição de servo do senhor, tudo o que está à sua volta toma outra feição. Ele fala, ouve, age, discute, sofre, chora e ri como outro ser humano qualquer, mas o faz de forma civilizada, de forma ponderada, de forma equilibrada. Está é a grande lição que os Espíritos benfeitores nos trazem.

5.3. O VERDADEIRO HUMILDE

O verdadeiro humilde geralmente não sabe que o é. São as pessoas ao seu derredor que acabam por descobri-lo. Para ele essa condição é tão natural que nem o percebe. Não é o que coloca um verniz por fora para esconder os defeitos interiores. O humilde coloca-se objetivamente dentro de sua capacidade, observando criteriosamente as suas limitações. Ele não importa saber quem é contra ou a favor, mas simplesmente atende a um chamado de ordem superior e segue o seu caminho com uma fé inquebrantável.

6. AS ORIENTAÇÕES DO EVANGELHO

6.1. A HUMILDADE COMO VIRTUDE ESQUECIDA

Jesus Cristo, quando esteve encarnado, deu-nos o exemplo da virtude, chegando a ponto de ordenar que amássemos os próprios inimigos. Dentre os seus vários ensinamentos, aquele que compara o Reino de Deus a uma criança, vem bem a calhar, pois evoca com firmeza o símbolo da humildade e da simplicidade. Não adianta conhecer profundamente a teologia e as mais altas concepções filosóficas. Se não nos fizermos humildes como as crianças – que são ingênuas e sem preconceitos – não entraremos no reino da verdade.

6.2. OS RICOS DESCONHECEM AS NECESSIDADES DOS POBRES

Há uma advertência dos Espíritos: “Oh, rico! Enquanto dormes sob teus tetos dourados, ao abrigo do frio, não sabes que milhares de teus irmãos, iguais a ti, estão estirados sobre a palha? A essas palavras teu orgulho se revolta, bem o sei; consentiras em dar-lhe uma esmola, mas a apertar-lhe a mão fraternalmente, jamais! ‘Que! Dizes, eu, descendente de um sangue nobre, grande na Terra, seria igual a esse miserável esfarrapado? Vã utopia de supostos filósofos! Se fôssemos iguais, por que Deus o teria colocado tão baixo e eu tão alto?’ É verdade que vosso vestuário não se assemelha quase nada; mas dele despojados ambos, que diferença haveria entre vós? A nobreza de sangue, dirás; mas a química não encontrou diferença entre o sangue do nobre e o do plebeu, entre o do senhor e o do escravo. Quem te diz que, tu também, não foste miserável e infeliz como ele? Que não pediste esmola? Que não a pedirás àquele que desprezas hoje? As riquezas são eternas? Elas não se acabam com esse corpo, envoltório perecível do teu Espírito? Oh! Volta-te humildemente sobre ti mesmo! Lança enfim os olhos sobre a realidade das coisas desse mundo, sobre o que faz a grandeza e a inferioridade no outro; lembra que a morte não te poupará mais que a um outro; que os títulos não te preservarão dela; que ela pode te atingir amanhã, hoje, numa hora; e se tu te escondes no teu orgulho, oh! Então eu te lastimo, porque serás digno de piedade” (Kardec, 1984, p. 107)

6.3. O EVANGELHO FUNDAMENTA-SE NUMA LEI CIENTÍFICA

Jesus deixou claro o alcance de sua Doutrina. O Evangelho é fundamentado numa lei científica: desprendimento dos bens materiais. Aquele que construir o seu destino, seguindo os exemplos de Cristo, terá como recompensa as bem-aventuranças do reino de deus. Não que devamos fazer isso ou aquilo esperando uma recompensa, mas pelo simples prazer de cumprir fielmente as determinações de nossa consciência. Há muitos exemplos de benfeitores anônimos, que auxiliam simplesmente pelo prazer de auxiliar. E por que fazem isso? Porque estão compenetrados dessa lei maior que une todos os seres humanos numa só entidade, a entidade humana. Para essas pessoas não há separação entre americano e chinês, budista e católico, branco e preto. Trata todos como irmãos como o Cristo nos ensinou.

7. CONCLUSÃO

Não nos iludamos com a subida inesperada do orgulhoso e as vantagens aparentes da riqueza. Estejamos firmes em nosso posto de trabalho, atendendo resignadamente às determinações da vontade de Deus a nosso respeito.

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ÁVILA, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro: M.E.C., 1967.
KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed. São Paulo: Feesp, 1995.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Espiritismo e Alegria


Imprime o Espiritismo feição nova à alegria.

Alegria será rejubilar-se. Rejubilar-se contudo, não é licenciar os sentidos; será dar-se.

Dar-se, todavia, não é engrossar a injustiça; será receber.

Receber, porém, não será envilecer a dádiva; será amar.

Amar, entretanto, de modo algum significaria rendição à sombra.

Alegria nasce e vive no clima do trabalho de quem obedece servindo à felicidade comum a todos.

Enquanto usufruímos a alegria do convívio espiritual, analisemos as causas que no-la favorecem, no plano das cousas simples.

Todos os elementos se mostram em ação, disciplinados a fim de serem úteis.

Pedras no alicerce do abrigo que nos reúne estão a postos assegurando o equilíbrio da casa.

O papel assume a posição de que necessitamos para que se nos grave o pensamento em forma de palavras.

Objetos de serventia usual jazem-no posto que lhes compete para atender-nos.

Vigas do teto sustentam-se de atalaia garantindo asilo contra a intempérie.

Nada fora do equilíbrio necessário, nada fora da lei do auxílio.

Alegria, assim, na esfera da consciência que dispõe de suficiente vontade para exaltar-se no discernimento do bem e do mal, com capacidade de ajudar ilimitadamente, será regozijar-se estendo fatores de regozijo a benefício dos que nos cercam; dar-se às boas obras; receber vantagens distribuindo-as e amar sem reclamar amor de ninguém; Alegria constituída de ação permanente no domínio dos impulsos inferiores, na movimentação construtiva, na administração criteriosa daquilo que possuímos e na ternura que possamos oferecer de nós para edificação dos semelhantes.

Jesus resumiu os deveres religiosos na síntese:

— “Ama a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. E compreendo-se que em nossa presente situação evolutiva, não dispomos de mais alta fórmula para amar o Criador que não seja amá-lo nas criaturas, a Doutrina Espírita nos define felicidade como sendo a alegria dos que possuem a alegria de cumprir o dever de auxiliar os outros para o bem, com base na consciência tranqüila.

Jesus, horas antes da crucificação e sabendo que caminhava para o sacrifício, exclamou para os amigos: — “Tende bom ânimo, eu venci o mundo”. Dizia isso quem para o mundo não passava de fracassado vulgar.

Certifiquemo-nos de que alegria é triunfo íntimo da alma sobre si, paz de quem aceitou a luta digna para elevar-se elevando a vida em torno, honra dos que procuram a aprovação do Criador no serviço às criaturas sem esperar que as criaturas lhes alterem o serviço ao Criador e trabalhemos sempre.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Regresso

Queridos amigos ,quanta saudade senti de todos vocês,agradeço pelo carinho e desejo de boa viajem e regresso.
Fui fazer uma visita a minha avó materna que reside no Paraná, mais precisamente em Londrina, minha mãe e irmãs, as quais já estou com saudade, aproveitei nesta viajem para assistir o filme "Nosso Lar", que gostei muito,inclusive pq o cinema estava lotado, este filme já é um sucesso.Como é bom rever pessoas que amamos, e para continuar com esse amor vamos falar dele.


A Doutrina de Jesus, por exemplo, é a mais alta expressão do amor. Ele já ensinava que o maior mandamento é o amor a Deus, ao próximo como a si mesmo... A própria Parábola do bom samaritano já indica isso. O Livro dos Espíritos em sua questão 888 traz resposta de Vicente e também em O Evangelho Segundo o Espiritismo a presença de Vicente é marcante na exaltação do amor ao próximo, através da caridade.

Nossa ausência de autoridade para falar do assunto, face à fragilidade na vivência espontânea do amor ao próximo não nos tira, entretanto, o entusiasmo de falar sobre o amor. Toca-nos o coração ver nossos irmãos carentes entregues ao relento, passando imensas dificuldades na própria sobrevivência, sofrendo a humilhação do desprezo social. Quantos irmãos nossos não vemos pelas ruas, no trânsito, carregando caixas de papelão ou coletando latinhas de refrigerantes, crianças em semáforos, velhos abandonados, enfermos entregues à própria sorte em hospitais...

A mensagem de Vicente de Paulo, entre tantos vultos inspirados pela mensagem do Evangelho, convida-nos a essa face real do amor. Deixemo-nos impregnar por tais exemplos e verdadeiros convites para o bem. É claro que ainda não somos capazes de agir como eles, nem ter a espontaneidade com que viveram, mas pelo menos pensemos nos exemplos que deram diante de nossos irmãos em dificuldade que encontremos pelo caminho, mesmo que for apenas para oferecer-lhes um sorriso e um minuto de atenção...

sábado, 4 de setembro de 2010

Dias de descanso!!!


Passando aqui para dizer que ficarei ausente por alguns dias,estou indo para Londrina PR, quando retornar, contarei as novidades,beijos mil

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Um pouco sobre minha pessoa


Um pedacinho da familia Garcia












Bom dia, queridos amigos, hoje estou aqui para postar algumas fotos minhas de momentos de descontração com meu filho meu marido e familiares, recordando momentos de alegria com minha vó (Irma Pereira Garcia) que já me precedeu ao mundo espiritual .
Esta é minha querida vozinha dando um abraço em meu filho, tinha que ser registrado, pois ele não era de fazer isso.






Aqui estou eu e meu marido em mais uma de nossas aventura de pescaria no rio Mogi-guaçu.

Aqui está meu filho amado, com seu Piauçu.






Meu irmão e minha cunhadinha Franciane que nos precedeu ao mundo espiritual no último dia 7.


Minha prima querida Michelly de São José do Rio Preto e eu.


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

SENTIMENTO A FORÇA DO ESPÍRITO 6/13


Já falamos sobre o perdão, hoje vamos falar sobre a Renúncia.

Sobre os valores espirituais, a renúncia é o conjunto de sentimentos harmonizados que dão ao Espírito a capacidade de administrar seus desejos, impulsos e aspirações. Ninguém renuncia sem razão e objetivos elevados.

Renunciar não significa, esquecer e nem abandonar.È o caminho primoroso de elevação do Ser em direção à caridade.È através dela que o Espírito conquista novos valores no campo da tolerância e da paciência.

A renúncia não é programada para motivos de dor.Muitos renunciam na reencarnação situações que gostariam de compartilhar com alguém, mas isso não deve ser motivo de sofrimento.Jamais a renúncia pediu o isolamento, o abandono, a indiferença. Pelo contrário, ela representa as vibrações da solidadriedade e fortalece as trocas de energias que alimentam o Ser em sua caminhada evolutiva.

O Espírito quando recluso em si mesmo, experimenta o egoísmo, o orgulho e as vibrações doentias que lhe afloram, sem rumo e sem direção.

A renúncia é um estágio avançado do pensamento. Ela dá ao Espírito a condição de compreender que é preciso mudar o percurso das próprias vibrações, buscando outros sentimentos.Quando a vida do Espírito for melhor compreendida poder-se-á melhor sentir a renúncia como um inestimável valor espiritual

domingo, 29 de agosto de 2010

SELINHO


Olá queridos amigos!!!
Hoje venho aqui, para oferecer aos meus amigos queridos,este singelo SELINHO, aceitem é de ♥
A única regra é repassar para 10 amigos,um grande beijo no ♥ de todos vocês,e mais uma vez agradecer pela amizade de todos.

A felicidade não entra em portas trancadas.

A felicidade real começa em fazer a felicidade dos outros.

A felicidade real é uma casa que se constrói por dentro da própria alma.

A fonte do bem é inesgotável.
Tarefa aceita - responsabilidade confirmada.
(Marco Prisco)

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

SENTIMENTO A FORÇA DO ESPÍRITO 5/13


Olá, queridos amigos!!!!


Hoje vamos falar sobre o PERDÃO.
Perdoar é reparae as energias danificadas pelo pensamento enfermiço.
Ninguém é capaz de perdoar o outro antes de reparar suas próprias energias.
O perdão é um ato complexo que pede tempo e ação no bem.
O perdão é o sentimento que o Espírito deve compreender para realizá-lo.
Enquanto o Ser for indiferente ao perdão continuará a ofender o seu irmão.
À medida que o Espírito desvencilha-se de seus sentimentos doentes, busca novas conquistas, promovendo a estabilidade no pensamento.
O amor foi a lição maior ensinada por Jesus.
Entre todas, o amor transcende em beleza e grandeza.
Atravéz dele dissolvem-se as vibrações do ódio, provenientes de Espíritos que não compreendem a força do perdão.
Amar os inimigos é o ponto alto das vibrações que renovam a intimidade mental, harmonizando os sentimentos.
Por que perdoar?
O perdão é o mais alto nível da capacidade de amar.
Quando o Espírito entrevê a vida pelos portais da consciência,amplia sua capacidade de perdoar seu irmão.
Não existe perdão sem mudanças de vibrações e de sentimentos.
O perdão é capaz de drenar todas as energias doentes, revitalizando aquelas que o Pai nos ofereceu como bênçãos educativas.
Assim, o perdão alimenta o Espírito, sem a preocupação de olhar a quem ou o quanto perdoa, porque na verdade sabe que o outro em qualquer situação, é seu irmão.
Jesus disse a Pedro, quando o mesmo lhe perguntou:-Quantas vezes perdoarei a meu irmão? Perdoarás não sete vezes,mas setenta vezes sete.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

SENTIMENTO A FORÇA DO ESPÍRITO 4/13



Queridos amigos depois de um tempo desconectada venho hoje trazer para vcs mais um tema sobre O sentimento e a força que causa no Espírito, hoje vamos falar sobre ALEGRIA


ALEGRIA é um conjunto de vibrações que partem dos sentimentos da harmonia e do equilíbrio.

A alegria promove no Espírito a reconstrução do processo vital.

Eala traz as vibrações do amor e elimina os campos sombrios que contaminam o pensamento.

A alegria é uma energia transformadora, tem sobre o conjunto mental uma força que impulsiona o pensamento a articular recursos que desmobilizam as vibrações doentias armazenadas nas células mentais.

O amor é o conjunto da vibrações que a alegria promove na intimidade do ser.

A alegria abre canais para conquistas superiores. Só quem ama compreende o valor da alegria promovida por gestos simples mas rica de significado.

A caridade é a porta que oferece o caminho da alegria para o Espírito.

"Fora da caridade não há salvação".Essa máxima é a consagração do princípio de igualdade diante de Deus e da liberdade de consciência.(Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XV)

Essas rosas vermelhas são para vcs meus amigos que tanto AMO!!!!
Que sua semana seja muito abençoada!!!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

ESPIRITUAL-IDADE PARABÉNS


Amiga, querida, sei que estou atrasada para comemorar mas,como já me espliquei em seu blog, estava sem computador, mas hoje venho mesmo atrasada te dar esse MIMO, um grande bj em seu ♥



Encontrei Você!
Entre cabos, fios, satélites e conexões,
Encontrei você...
Jamais poderia imaginar que sem sair
De casa, amigos eu teria...

Descobri aqui um outro mundo
Um mundo que prescinde de toques
E cheiros, mas que não me impede de
Viver as mesmas emoções de meu
Mundo real...

Amizades sinceras nasceram aqui
E você é uma delas, por quem nutro
Um carinho muito especial

Que possamos por muito tempo desfrutar
Da magia e do encanto deste mundo
fantástico, que é o virtual

Conte sempre comigo, com a minha
Amizade e o meu carinho.

Juntas estaremos sempre, ou até
Que a conexão nos separe!

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Bons Livros


Entre a sombra e a Luz
A paisagem moral da vida além da morte.
A preocupação dos Espíritos.
As regiões umbralinas.
Os dramas da obsessão.
A importância da mediunidade.
O significado do tempo.
Os que desencarnam, mas não conseguem desligar-se da existência física.
A renovação íntima.
A força da oração.
A lei da Carma.
Eis alguns dos temas que Paulino Garcia aborda, neste seu livro, sob a tutela espiritual de Odilon Fernandes, irmão José e tantos outros mentores da vida Maior. Obra que, sem dúvida, cumpre com finalidade de informar e de esclarecer acerca da realidade futura de todos os homens.
Espero que gostem, bjs mil no ♥ de todos vocês!!!
Que seu dia seja abençoado, sempre.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

"HÁ MUITAS MORADAS, NA CASA DE MEU PAI"


O Evangelho Segundo o Espiritismo - Há Muitas Moradas Na Casa de Meu Pai - cap. III
1. Não se turbe o vosso coração. Crede em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na Casa de meu Pai. Se assim não fosse, eu vo-lo teria dito; pois vou preparar-vos o lugar. E depois que eu me for, e vos aparelhar o lugar, virei outra vez e tomar-vos-ei para mim, para que lá onde estiver, estejais vós também. (João, XIV:1-3)
Diferentes estados da alma na erraticidade
2. A casa do Pai é o Universo; as diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito, e oferecem aos Espíritos desencarnados lugares apropriados à sua evolução. Além da diversidade dos mundos, estas palavras podem também ser interpretadas quanto ao estado feliz ou infeliz do Espírito na erraticidade. De acordo com o estado de maior ou menor pureza e de desapego às atrações materiais, o meio onde se encontra, o aspecto das coisas, as sensações que experimenta, as percepções que possui, tudo isso varia ao infinito. Enquanto uns vivem presos à esfera na qual viveram, outros se elevam e percorrem o espaço e os mundos. Enquanto certos Espíritos culpados vagam nas trevas, os felizes usufruem de uma claridade resplandecente e do sublime espetáculo do infinito. Enfim, enquanto os maus, atormentados de remorsos e desgostos, quase sempre sós, sem consolação, separados dos objetos de sua afeição gemem sob a opressão dos sofrimentos morais, o justo, reunido àqueles que ama, usufrui das doçuras de uma felicidade indescritível. Lá também há, portanto, várias moradas, embora não limitadas nem circunscritas.
Diversas categorias de mundos habitados
3. Dos ensinamentos dados pelos Espíritos, resulta que os diferentes mundos estão em condições muito diferentes uns dos outros, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade de seus habitantes. Dentre eles, há os que são ainda inferiores à Terra, física e moralmente. Outros estão no mesmo grau, e outros ainda, são mais ou menos superiores em todos os sentidos. Nos mundos inferiores, a existência é totalmente material, as paixões reinam soberanas, a vida moral é quase nula. À medida que esta se desenvolve, a influência da matéria diminui, de tal forma, que nos mundos mais elevados a vida é, por assim dizer, toda espiritual.4. Nos mundos intermediários, há a mistura do bem e do mal, com predominância de um sobre o outro, segundo o grau de adiantamento em que se encontrem. Mesmo não podendo fazer desses diversos mundos uma classificação absoluta, pode-se, ao menos, em razão de seu estado e de seu destino - e com base em seus aspectos mais destacados - dividi-los de uma maneira geral, a saber: mundos primitivos, destinados às primeiras encarnações da alma humana; mundos de provas e de expiações, onde o mal predomina; mundos regeneradores, onde as almas que ainda têm algo a expiar adquirem novas forças, repousando das fadigas da luta; mundos felizes, onde o bem supera o mal; mundos celestes ou divinos, morada dos Espíritos puros, onde o bem reina absoluto. A Terra pertence à categoria dos mundos de provas e expiações, e é por isso que o homem nela é alvo de tantas misérias.5. Os Espíritos encarnados num determinado mundo não estão ligados a ele indefinidamente, e não cumprem nele todas as fases do progresso que devem percorrer, para chegarem à perfeição. Quando eles atingem o grau de evolução necessário, passam para outro mundo mais avançado, e assim sucessivamente, até chegarem ao estado de Espíritos puros. Os mundos são as estações nas quais eles encontram elementos de progresso proporcionais à sua evolução. É para eles uma recompensa passarem a um mundo de grau mais elevado, assim como é um castigo prolongarem sua permanência num mundo infeliz, ou serem relegados a um mundo ainda mais infeliz que aquele que são forçados a deixar, quando se obstinam no mal.
O Céu e o Inferno - cap. III - O Céu (aqui reproduzimoa apenas um trecho o capítulo deve ser lido na íntegra)
Em geral a palavra céu designa o espaço indefinido que circunda a Terra, e mais particularmente a parte que está acima de nosso horizonte. Vem do latim "coelum", formada do grego "coilos", côncavo, porque o céu parece uma imensa concavidade. Os antigos acreditavam na existência de muitos céus superpostos, de matéria sólida e transparente, formando esferas concêntricas e tendo a Terra por centro.Toda as doutrinas criadas para explicar a existência do paraíso partiram da premissa de considerar a Terra como centro do Universo, ao mesmo tempo que fixavam limites para a região dos astros, colocando além desse limite imaginário a morada do Todo Poderoso.Singular anomalia que coloca o autor em todas as coisas, aquele que as governa a todas, nos confins da criação, em vez de no centro, donde seu pensamento poderia, irradiante, abranger tudo.Por toda a parte existe a felicidade, decorrente da categoria em que cada Espírito se coloca pelo seu adiantamento, trazendo cada um consigo mesmo os elementos de sua felicidade, relativamente a todos os progressos e a todos os deveres cumpridos.O céu, portanto, está em toda a parte e nenhum contorno lhe traz limites, sendo os mundos adiantados as últimas estações do seu caminho, que as virtudes franqueiam e os vícios interditam.É por isso que Jesus afirma que "o reino de Deus não está aqui, nem acolá, mas dentro de nós".
O Céu e o Inferno - cap. IV - O Inferno - O inferno Cristão imitado do Inferno Pagão
O inferno pagão, descrito e dramatizado pelos poetas, foi o modelo mais grandioso do gênero e se perpetuou no seio dos cristãos onde, por sua vez, houve poetas e cantores. Comparando-os, encontram-se neles - salvo os nomes e variantes de detalhes - numerosas analogias; ambos têm o fogo material por base de tormentos, como símbolo dos sofrimentos mais atrozes. Mas, coisa singular! Os cristãos exageraram em muitos pontos o inferno dos pagãos.Se os pagãos tinham o tonel das Danaides, a roda de Ixião, o rochedo de Sísifo, têm para todos, sem distinção, as caldeiras ferventes cujos tampos os anjos levantam para ver as contorções dos condenados e Deus, sem piedade, lhes ouve os gemidos por toda a eternidade. Nunca os pagãos descreveram os habitantes dos Campos Elísios deleitando a vista nos suplícios do Tártaro. Os cristãos têm, como os pagãos, o seu rei dos infernos - Satã - com a diferença, porém, de que Plutão se limitava a governar o sombrio império, que lhe coubera em partilha, sem ser mau; retinha em seus domínios os que haviam os homens ao pecado para desfrutar, tripudiar dos seus sofrimentos. Satã, no entanto, recruta vítimas por toda parte e regozija-se ao atormentá-las com uma legião de demônios armados de forcados e revolvê-las no fogo.Já se tem discutido seriamente acerca da natureza desse fogo que queima, mas não consome as vítimas. Tem-se mesmo perguntado se seria um fogo de betume.
O inferno cristão nada pois fica devendo ao inferno pagão.As mesmas considerações, que entre os antigos tinham feito localizar o reino da felicidade, fizeram circunscrever igualmente o lugar dos suplícios. Tendo os homens colocado o primeiro nas regiões superiores era natural que reservassem ao segundo os lugares inferiores, isto é, o centro da Terra, para onde eles acreditavam servirem de entradas certas cavidades sombrias, de aspecto horrível. Os cristãos também colocaram ali, por muito tempo, a habitação dos condenados.A respeito do assunto, frisemos ainda outra analogia: O inferno dos pagãos continha de um lado os Campos Elísios e do outro o Tártaro; o Olimpo, morada dos deuses e dos homens divinizados, ficava nas regiões superiores. Segundo a letra do Envangelho, Jesus desceu aos infernos, isto é aos lugares baixos para deles tirar as almas dos justos que lhe aguardavam a vinda.Os infernos não eram portanto um lugar unicamente de suplício: estavam como para os pagãos, nos "lugares baixos".A morada dos anjos, assim como o Olimpo, era nos "lugares elevados". Colocaram-na para além do céu estelar, que se acreditava limitado.
A mistura de idéias cristãs e pagãs nada tem de surpreendente. Jesus não podia de um só golpe destruir enraizadas crenças, faltando aos homens conhecimentos necessários para conceber a infinidade do Espaço e o número infinito dos mundos; a Terra para eles era o centro do Universo; não lhe conheciam a forma nem a estrutura interna; tudo se limitava ao seu ponto de vista: as noções do futuro não podiam ir além dos seus conhecimentos.Jesus encontrava-se pois na impossibilidade de os iniciar no verdadeiro estado das coisas; mas não querendo, por outro lado, sancionar preconceitos aceitos, com a sua autoridade, absteve-se de os retificar, deixando ao Tempo essa missão. Limitou-se ele a falar vagamente da vida bem-aventurada, dos castigos reservados aos culpados, sem referir-se nunca nos seus ensinos a castigos e suplícios corporais, que constituíram para os cristãos um artigo de fé.Eis aí como as idéias do inferno pagão se perpetuaram até aos nossos dias. Foi preciso a difusão das luzes dos tempos modernos, o desenvolvimento geral da inteligência humana para se lhe fazer justiça.Porém como nada de positivo houvesse substituído as idéias recebidas, ao longo período de uma crença cega sucedeu, transitoriamente, o período de incredulidade a que vem por termo a Nova Revolução. Era preciso demolir para reconstruir, visto como é mais fácil insinuar idéias justas aos que em nada crêem, sentindo que algo lhes falta, do que faze-lo aos que possuem uma idéia robusta, ainda que absurda.Localizados o céu e o inferno, as seitas cristãs foram levadas a não admitir para as almas senão duas situações extremas: a felicidade perfeita e o sofrimento absoluto. O purgatório é apenas uma posição intermediária e passageira, ao sair da qual as almas passam, sem transição, para a mansão dos bem-aventurados.Outra não pode ser a hipótese, dada a crença na sorte definitiva da alma após a morte. Se não há mais do que duas habitações, a dos elementos e a dos condenados, não se podem admitir muitos graus em cada uma sem admitir a possibilidade de se franquearem eles conseqüentemente, o progresso; ora, se há progresso, não há sorte definitiva; se há sorte definitiva, não há progresso. Jesus resolveu a questão quando disse: Há muitas moradas na casa de meu Pai.

IMAGEM:
http://www.google.com.br/images?hl=pt-BR&rlz=1R2ADSA_pt-BRBR370&q=sistemas%20solares&um=1&ie=UTF-8&source=og&sa=N&tab=wi&biw=1003&bih=644

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

PARABÉNS BONDeBLOG


Hoje gostaria de deixar aqui um MIMO, para meu amigo do blog, http://007bondeblog.blogspot.com/ pela comemoração de 100 mil visitantes,e claro pelo seu aniversário também, parabéns amigo, você merece, um grande abraço fraterno em seu ♥


ESTE SELINHO FIZ PARA VOCÊ...

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

SENTIMENTO A FORÇA DO ESPÍRITO 3/13



CIÚME


Posse, medo, propriedade ou sentimento doente?


O ciúme gera grande desconforto no ser. Ele provoca alterações no campo do sentimento, gerando energias doentes que deixam marcas, magoam e acrisolam o outro.


O ciúme é um sentimento doentio, podendo causar danos e anormalidades no comportamento psíquico do ser.O ciúme deixa a mostra a falta de confiança no sentimento do outro.


È uma disfunção que pode levar o espírito a loucura. O ciúme carrega vibrações enfermiças que não foram drenadas, devido à ausencia das energias revitalizadas do pensamento.
O pensamento, neste estado de ciúme, permanece num contexto vibratório viciado, fechando-se para a razão.Esse mecanismo gera uma disfunção difícil no comportamento do ser.
No ciúme, o amor é visto ora como posse, ors de forma obscessiva, não controlando a força da vibração que o pensamento elabora, deixando a vontade enfraquecida para as mudanças necessárias.
O ciúme cega a visão do espírito, tornando-o cada vez mais introspectivo em suas realizações.
Cria um munda a " per si" para que nele viva com suas criações.Vive de si=onhos e fantasias que a mente malsã elabora constantemente.A consciência perde aos poucos sua propriedade interativa com a vontade, promovendo quedas na estrutura mental.
O ciúme vem de um relacionamento difícil, que o espírito vevenciou e armazenou sem compreender e sem buscar, uma solução para os fatos que comprometeram a situação vevenciada.
O ciúme tem componetes de anterioridade, os quais na existência atual voltam a fluir de forma mais intensa. Ele se manifesta desde criança. Não sendo trabalhado, amplia sua capacidade vibratória, atuando no outro de forma doentia. Causa um desconforto muito grande, gera a desconfiança e faz perder aos poucos a alegria e o prazer das interações afetivas.
O ciúme é um sentimento que deve ser compreendido para ser educado. Atraves dele o Espírito conecta-se a outros espíritos, estabelecendo sintonias inadequadas, que causam grande mal estar.

domingo, 15 de agosto de 2010

Ressonância (blogagem coletiva espiritual ecumênica)



Quase ia me esquecendo, de postar sobre a ressonância, então postarei duas vezes hoje,o que é um grande prazer, (risos)...




A Blogagem coletiva, nos fez aproximar de pessoas queridas, conhecer outros blogs,aprender com as mensagens de cada um deles.




E como é bom aprender, não é !?




Só tenho a agradecer, por poder ter feito parte desta blogagem coletiva, mesmo tendo chegado depois.




agradeço, principalmente a minha querida amiga ,orvalho do ceu do blog: http://espiritual-idade.blogspot.com/




Que novas blogagens apareçam para que possamos aprender cada vez mais, beijos no


SAUDADE




Hoje estou aqui sentada;



A tela do PC em minha frente;





Não sei o que postar;





Em minha mente somente me vem lembranças;





Boas, ruins,lembranças...





Me pego a chorar, por sentir saudade de algo que





nem mesmo sei o que é;





Algo que talvez eateja tão longe, mas ao mesmo tempo tão perto.





Sinto o perfume das rosas, as quais considero ,a mais bela das flores;





Pergunto-me, mas que saudade é essa que invade meus sentidos?





Que preenche meu dia, ilumina minha estadia neste plano ?





Então resolvi, postar exatamente o que estou sentindo.



Dany Garcia


Um grande beijo no ♥ de todos vocês meus amigos, que passei a amar no decorrer desses meses, um final de domingo iluminado e uma semana abençoada a todos.


quarta-feira, 11 de agosto de 2010

INDIFERENÇA MORAL


INDIFERENÇA MORAL

No livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, encontramos sábios conselhos, alertas, chamamentos de atenção por parte de Espíritos nobres, que seguramente trabalham em prol do bem e da nossa felicidade.
Um deles escreveu o seguinte:
Cada época é marcada com o cunho da virtude ou do vício que a tem de salvar ou perder. A virtude da vossa geração é a atividade intelectual; seu vicio é a indiferença moral.
Muitos poderão dizer que não acreditam nos Espíritos, e simplesmente ignorar essas palavras.
Mas uma coisa é certa: trata-se de uma grande verdade.
A nossa época é notável pelas conquistas intelectuais, mas lamentavelmente marcada pela indiferença moral.
Quando vemos, nas mídias, de maneira escancarada, a mentira, a corrupção, a hipocrisia, temos que dar razão aos Sábios do espaço, que nos observam atentos.
Pessoas que estão no poder se chafurdam na corrupção e zombam do povo diante das câmeras, numa demonstração vergonhosa de indiferença e desrespeito por aqueles que os colocaram na posição de mando.
Pais observam, passivos, o mau-caráter de filhos tiranos, violentos, que pisam nos sentimentos alheios como quem esmaga um verme infeliz.
Jovens, filhos de pais que fazem as leis ou que deveriam exigir o seu cumprimento, são os primeiros a desdenhá-las, desrespeitá-las, com visível cinismo, como se estivessem acima do bem e do mal.
Mães que maltratam filhos indefesos ou os jogam no lixo, como se fossem dejetos fétidos dos quais desejam se livrar.
Hordas de pessoas que se dizem injustiçadas invadem propriedades alheias com armas em punho, com violência, e com a certeza de contar com a impunidade e a indiferença das autoridades...
Povos inteiros são massacrados, subjugados, quase exterminados, por nada... Apenas para que o mundo veja quem tem mais poder...
São realmente tempos de grande indiferença moral, não há dúvida...
Parece, mesmo, que o mundo vai acabar em corrupção, em conluios, conchavos, interesses mesquinhos de toda ordem...
E isso tudo acontece diante das vistas dos intelectuais do terceiro milênio, daqueles que deveriam e poderiam usar os veículos de comunicação para conter essa “tsuname” moral que tudo arrasta, poderosa...
Diante de uma geração que assiste a tudo em tempo real, graças aos avanços tecnológicos...
E as pessoas de bem se perguntam, desoladas: “Que mundo é esse? Que tipo de pessoas está com as rédeas do planeta nas mãos?”
Não se pode negar, todavia, que muitas estão indignadas, mas, lamentavelmente, a nossa indignação não sai do conforto do sofá, na sala aconchegante, de dentro da segurança de nossos lares.
São tempos de indiferença moral, de passividade, de insensibilidade generalizada, certamente.
No entanto, devemos convir que se todos quiséssemos, poderíamos “emparedar” e retirar de cena os malfeitores, em pouco tempo.
Isso sim valeria a pena. Mas a maioria prefere pagar para opinar nos shows de faz-de-conta, como se isso lhes garantisse alguma vantagem real.
...E assim vamos vivendo, de ilusão em ilusão...
E a indiferença vai se alastrando, destruindo, entorpecendo, infelicitando, aniquilando a esperança...
Se você é uma dessas pessoas que está indignada com a situação, faça alguma coisa. Aja de alguma forma. Escreva. Fale. Manifeste-se. Cobre atitudes dos governantes. Mas faça isso com serenidade e bom senso, sem violência.
Considere que toda atitude violenta não faz sentido, quando o que se pretende é justamente o contrário.
Pense nisso, e não fique só na indignação.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no cap.IX, item 8, de O Evangelho Segundo o Espiritismo, ed. FEB.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

SENTIMENTO A FORÇA DO ESPÍRITO 2/13


Sentimento a força do espírito

Já falamos sobre o ORGULHO

Hoje vamos falar sobre a OCIOSIDADE
A paralisia mental causa a fixação do pensamento,aprisionando o Espírito no tempo e no espaço.Congela a oportunidadde de progresso obstruindo os canais espirituais para um entendimento,que lhe poderia proporcionar mudanças.As fixações mentais promovem as repetições de pensamentos,levando o ser a repetir e estagnar ações.
O sentimento acrisolado na consciência define o padrão de vida do Espírito ocioso. Nesse caso percebe-se a própria falta de identidade espiritual.
Os pontos de fixação mental causam ao espírito grandes danos, não lhe permitindo caminhar na progressividade do pensamento ligado a Jejus.O bem é o trabalho que deve atender e alcançar a todos, mas nem sempre isso acontece.Quando um espírito se fixa em quadros deliberados pela consciência doente, há uma estagnação do pensamento,o que gera uma distância entre a consciência e a vontade.
A personalidade fica estática, magnetizada pelo fluxo mental que retrai toda a estrutura mental expressão, criando uma vibração circular.Esta, ativa os painéis descompassados da vontade enfraquecida ou rntorpecida pelos sentimentos em desalinho e não deixa a razão participar do trabalho de mudança.
Na vida há inumeros contrastes e Jesus nos demonstrou o valor do trabalho para motivação e evolução das idéias.
"O trabalhador da última hora tem o direito ao salário, mas é preciso que sua vontade tenha estado á disposição do senhor que devia empregá-lo, e que esse atraso não seja fruto da preguiça ou da má vontade"(Evangelho segundo o espiritismo, cap.XX)
Allan Kardec no livro dos Espíritos na pergunta 674 esclarece sobre a importância do trabalho:
"-A nescessidade do trabalho é uma lei da natureza?
R: O trabalho é uma lei natural, por isso mesmo é uma nescessidade. A civilização obriga o homem a trabalhar mais, porque aumenta suas nescessidades e seus prazeres."




Imagem: http://images.google.com.br

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

ADESÃO A BLOGAGEM COLETIVA



Ressonância

O momento atual conclama a atenção de todos para a ca minhada evolutiva.A humanidade passa por um estágio que pede constantes aplicações do conhecimento para as tomadas de decisões.

A espiritualidade vem dedicando uma atenção especial ao projeto do entendimento do espírito.

O conhecimento mesclado aos sentimentos mais sublimes coordena o pensamento dos espíritos gerando conflitos, pedindo postura em relação a vida.

Este é um convite à reflexão para o momento, parar, questionar e analisar, como estão sendo aplicados o conhecimento e o amor.

O amor é a culminância das vibrações.Gerando no espírito uma energia capaz de promover alteração em todo o contexto perispiritual.

A vida é uma construção e a meta a ser alcançada pede mudanças expressivas no comportamento do ser. Motivar o pensamento na busca de novos valores.

Sua participação no bem é uma atividade progressista.O bem tem Ressonância na estrutura íntima do espírito.

Quero agradecer de todo o meu ♥, pela oportunidade que nossa amiga orvalho do ceu do blog: http://espiritual-idade.blogspot.com/ ,nos deu de estarmos podendo passar e aprender um pouco mais sobre os ensinamentos de Jesus, amananso a toda BOGAGEM COLETIVA o amor em diferentes temas.

Agardeço a Deus cada dia, pelas amizades fraternas que tenho conseguido aqui neste cantinho, confesso que não imaginava que seria assim.

Que Deus nosso Pai Celestial, juntamente com Jesus nosso irmão maior e governador da Terra, nos abençõe a todos sempre.

Que assim seja!!!!!

MIMO


Hoje venho aqui para agradecer este mimo,oferecido pela minha amiga querida orvalho do ceu do blog espiritual-idade http://espiritual-idade.blogspot.com


Lembremo-nos de que o homem interior se renova sempre. A luta enriquece-o de experiência, a dor aprimora-lhe as emoções e o sacrifício tempera-lhe o caráter. O Espírito encarnado sofre constantes transformações por fora, a fim de acrisolar-se e engrandecer-se por dentro.

Chico Xavier

Que Deus te abençõe sempre!!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

CORRENTE DE AMOR


Queridos amigos , hoje venho aqui, para pedir a colaboração de vocês, nesta corrente de AMOR.
Esta minha amiga,que tem sua foto postada ao lado está passando por problemas de saúde graves,está acometida por câncer,está internada na Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, na UTI , peço a todos vocês que me ajudem a orar,ela tem 20 anos seu nome é Franciane



Meu Deus, são impenetráveis os vossos desígnios, e na vossa sabedoria enviastes a Franciane uma enfermidade. Voltai para ele, eu vos suplico, um olhar de compaixão, e dignai-vos por um termo aos seus sofrimentos! Bons Espíritos, vós que sois os ministros do Todo-Poderoso, secundai, eu vos peço, o meu desejo de aliviá-lo. Dirigi o meu pensamento, a fim de que possa derramar-se sobre o seu corpo como um bálsamo salutar, e sobre a sua alma como uma consolação. Inspirai-lhe a paciência e a submissão à vontade de Deus; e dai-lhe a força de suportar as suas dores com resignação cristã, para não perder os resultados desta prova por que está passando.
Que assim seja!!


Que Deus nosso pai e Jesus nosso irmão maior, nos abençõe a todos!!!
Obrigada queridos amigos desde já...
Dany

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

ADESÃO A BLOGAGEM COLETIVA



BLOGAGEM COLETIVA ESPIRITUAL

È com imenso prazer, que participo mais uma vez desta Blogagem Coletiva.
Gostaria de agradecer a minha querida amiga orvalho do ceu do blog http://espiritual-idade.blogspot.com/ que nos deu essa oportunidade maravilhosa de podermos falar sobre a espiritualidade.




"Tudo é permitido, mas nem tudo convém; tudo é permitido,



mas nem tudo edifica."
(Paulo, Primeira epístola aos Coríntios, 10:23)

"Crer não é o bastante, nos dias de hoje quer-se saber. Nenhuma concepção filosófica ou moral terá chance de sucesso se não estiver apoiada sobre uma demonstração lógica, matemática e positiva da fé e se, por outro lado, não estiver coroada por uma sanção que satisfaça a todos os nossos instintos de justiça". (Léon Denis, O Problema do Ser e do Destino.)

sábado, 31 de julho de 2010

O PODER DA PRECE


Uma das mais expressivas mensagens de Jesus encontra-se no evangelho de Marcos, capítulo XI, v.24: "O que quer seja que pedirdes na prece, crede que o obtereis, e vos será concedido."

É a famosa expressão: "pedi e obtereis".

Entretanto, muitas pessoas, incluindo membros de ordens religiosas, inclusive espíritas, têm dificuldade de acreditar na eficácia da prece. Isto ocorre porque talvez não saibam realmente o que é uma prece.

O estudo da doutrina espírita permite adquirir visão mais clara do poder da oração e dos pedidos ao Pai celestial.

O grande objetivo desta doutrina é a reforma íntima de seus adeptos, particularmente a elevação da qualidade da maneira de pensar.

Na questão de número 459 de " O Livro dos Espíritos" , Kardec nos explica que vivemos constantemente sob a influência dos habitantes do mundo espiritual.

Existe um intercâmbio intenso entre nós, espíritos encarnados, e aqueles já desencarnados.

Estes, habitantes do plano espiritual, podem ser evoluídos ou ainda se encontrarem em estágios inferiores da evolução.

A prece permite obter a influenciação da parcela mais evoluída e mais amorosa do mundo espiritual. Segundo Kardec, a prece é uma invocação, através da qual um ser se coloca em comunicação mental com outro ser, ao qual se dirige. Pode ter como objetivos fazer pedidos ou agradecimentos ou simplesmente para glorificação de Deus, em ato de humildade.

Segundo vários autores, o governo espiritual é muito bem organizado e se preocupa com o bem estar e o progresso dos espíritos encarnados. Existem numerosas equipes que vivem para socorrer.

As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos espíritos encarregados da execução das suas vontades.

Podemos orar para outros seres, na qualidade apenas de intermediários. Mas, Deus é o grande receptor das vibrações das preces. É a autoridade maior, absoluta e amorosa.

Para entendermos os mecanismos de ação da prece precisamos lembrar que nos encontramos mergulhados no que Kardec denominou de fluido cósmico universal, que ocupa todos espaços do universo. Este fluído recebe os impulsos da vontade. Ele é o veículo das vibrações do pensamento, como o ar é o veículo das vibrações do som. A diferença está no fato de que no ar as vibrações sonoras são limitadas. No fluído cósmico universal as vibrações do pensamento se estendem ao infinito.

Assim, as preces sempre são ouvidas pelos espíritos em quaisquer lugares onde se encontrem. Víctor Hugo refere-se aos "centros de registros e avaliação das rogativas humanas " espalhados pelas províncias próximas da Terra, que recebem as solicitações, examinam a importância e urgência dos pedidos, respondendo conforme o caso.

O espírito Patrícia nos informa que em todas colônias espirituais, espalhadas pelo mundo espiritual em torno da terra, existe um "Departamento de pedidos" em que cada prece é anotada, analisada e classificada para se decidir sobre seu atendimento.

Víctor Hugo explicou que o espírito que ora, emite vibrações teledinâmicas que se dirigem ao mundo espiritual e retornam para este mesmo espírito. O benefício da prece pode ser instantâneo, no momento exato da prece, por receber ondas benéficas, reconfortantes e de pensamento otimista. A vibração da mente em oração sincroniza com as ondas teledinâmicas do mundo espiritual superior, atraindo atenção e interesse dos espíritos encarregados do equilíbrio na terra.

A prece harmoniza o tom vibratório do indivíduo, revitaliza o metabolismo perispiritual, reorganizando o campo das moléculas, resultando em ação salutar.

Assim a prece evita doenças originárias de vibrações desorganizadas da mente desequilibrada.

Recentemente, a imprensa brasileira divulgou resultados de estudos que concluíram que, pessoas acostumadas à prática da oração gozam de mais saúde.

Na realidade os efeitos benéficos da prece podem ser observados no indivíduo, nas pessoas que com ele mais se relacionam e no ambiente que fica mais harmonizado, com psicosfera balsâmica, agradável e calmante.

De fato é agradável o ambiente de templos, de mosteiros e de casas espíritas onde se pratica a prece autentica.

Os locais de oração são bem vistos pelo plano espiritual.

Entretanto é importante lembrar que o poder da prece está no pensamento.

A energia da corrente depende do vigor do pensamento e da vontade de quem ora.

Ela não depende de palavras, de vestimentas, nem de cerimoniais. Preces decoradas, sem sentimento, são pouco eficazes.

Mas, a prece não pode ter por efeito mudar os desígnios de Deus, nem derrogar as leis divinas. Entretanto, o espírito que ora encontra sempre alívio, conforto e forças para viver as experiências de que necessita para sua evolução.

A prece é importante para tudo. Ajuda no trabalho. Socorre na família. Serve para apaziguar inimigos, arrefecer adversários e tornar agradáveis pessoas antipáticas.

Ao invés de combater deveríamos orar.

A prece quebra a desarmonia. Fazer uma súplica a Deus pelo bem estar de um inimigo, seria mostra de boa disposição para seguir a Jesus, que pediu que déssemos amor para nossos inimigos.

Segundo Víctor Hugo "Orar é inundar-se de forças poderosas do mundo invisível para atuar com segurança no mundo das formas visíveis".

Menciona esse habitante iluminado do espaço, o chamado efeito bumerangue de nossos atos e pensamentos: as vibrações que emitimos retornam para nós, às vezes com intensidade maior. Vibrações de ódio e desequilíbrio retornam avassaladoras . A prece amorosa retorna calmamente , confortadora .

Precisamos nos educar para o hábito da prece antes de dormir , no lar , no trabalho . Ao trabalhar com amor , ao servir com desvelo, estamos fazendo a vontade do pai. É oração .

Joanna de Ângelis recomenda que seria ótimo se conseguíssemos viver sempre em estado de prece. Seria uma grande reforma intima . imprimir em nosso pensamento teor vibratório permanente de equilíbrio, de paz, de amor, de prece..

Bibliografia:


KARDEC, Allan - O Evangelho segundo o Espiritismo. Capítulo XXVIII, IDE, 185ª. Edição, 1978
Divaldo P Franco/Vítor Hugo - Calvário de libertação. Segunda Parte, capítulo 2. L.E.Alvorada - Editora, 3ªedição. 1988.
Divaldo P. Franco/Joanna de Angelis. Lampadário Espírita
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho/ Patrícia - Vivendo no Mundo dos Espíritos Cap XIII. Petit Editora e Distribuidora. 6a Reimpressão - 1994.


*José Brandão Fonseca é membro do GEFEC - UENF( Grupo de Estudo da Filosofia Espírita Cristã, da Universidade Estadual do Norte Fluminense ).

Fonte: http://revistaespirita.hypermart.net

sexta-feira, 30 de julho de 2010

A VINGANÇA SEGUNDO O ESPIRITISMO


A VINGANÇA
Em mais uma de suas esclarecedoras lições, trazidas ao nosso conhecimento a través da psicografia de Divaldo Pereira Franco, a benfeitora Joanna de Angelis nos instrui sobre a ação maléfica da vingança sobre nosso vaso físico, com repercussão no espírito imortal que somos.
Começa dizendo que quando algo perturbador acontece, gerando sofrimento ao indivíduo, a sua imaturidade psicológica se sente ameaçada, por algo muito forte, que mesmo raciocinando conscientemente, não consegue se desvincular das manifestações desconhecidas que traz, armazenadas em seu inconsciente, a lhe exigir reparação, desforra, e até mesmo a aniquilação do seu opositor.
Inicia-se então neste instante, uma acirrada disputa entre o seu lado racional, procurando resistir a esse tipo de atitude, por identificar essa falha do caráter, e o seu lado irracional, revestido de toda sua bagagem sombria de manifestações inesperadas, e inconseqüentes, desconhecida da personalidade do indivíduo que lhe aflora, armando verdadeiras ciladas, atirando o ser nos despenhadeiros da vingança de conseqüências funestas.
Esses impulsos doentios, emergem de áreas desconhecidas do ego, que não conseguem identificação com o Ser espiritual e induze-o, a um trabalho de desenvolvimento perseverante da odiosidade, instaurando-lhe no imo, a revolta e o desconforto ante o opositor que se lhe apresenta como um perigo constante para sua segurança, merecendo por isso ser destruído.
O fenômeno ocorre, tanto individualmente com as pessoas como com as Nações, dando nesse caso ensejo ao desencadeamento das guerras nefastas e hediondas, que prejudicam gerações deixando seqüelas lastimáveis em suas vítimas.
No indivíduo, esse comportamento provoca o perverso mecanismo conflitivo, que o leva ao desespero, e mesmo quando o outro já não mais lhe representa perigo algum, mesmo depois de se render ou ser aniquilado, os efeitos desastrosos da vingança não desaparecem frustrando a quem aparentemente estaria vitorioso.

Ação danosa da vingança

Invariavelmente neurótico, o enfermo indivíduo que assim age, vitimado quase sempre pela repressão sexual infantil ou, dominado pela sede do poder e da ambição, vive a competir com os demais, os quais passa a invejar por se encontrarem em melhores situações psicológicas que a dele, podendo em certos casos até aceitá-los enquanto os manipulam, tirando dessa forma proveito da situação, até que se ergam, quando então mostram suas garras nas lutas com os recursos da tirania e da insensatez. A vingança é transtorno neurótico soez, que liberta do inconsciente as forças desordenadas que jazem aí adormecidas, irrompendo com ferocidade e ligeireza sob o estímulo do aniquilamento do inimigo.
Curioso é notar, que o inimigo não é aquele que se torna combatido, mas o inconsciente transfere dos refolhos d’alma a inferioridade do seu Ser, que é inimigo do progresso, do bem, da ordem, para atirar noutrem, em fenômeno de projeção e que guarda internamente, detestando-o.
Ao armar-se de calúnia e de outros mecanismos de perseguição, contra aquele a quem odeia, está realizando uma luta inconsciente contra si mesmo, pois que está apenas projetando o lado escuro e sombrio da sua personalidade que se lhe mantém preso à ignorância.
Fixa-se no adversário com implacável disposição de conseguir a sua extinção, do que para ele dependerá sua liberdade a partir desse momento em diante. Assim transtornado aplica-se com empenho em emitir ondas deletérias contra o outro, estabelecendo uma comunicação psíquica, se encontra receptividade em quem lhe padece a perseguição, que termina por minar as forças daquele que considera seu opositor.
Além da inferioridade moral que tipifica o vingador, o seu primarismo emocional elabora razões ponderadas que são arquitetadas pala mente em desalinho, para justificar o prosseguimento da façanha, nascidas no inconsciente pessoal profundo, que remanescem de outras existências no Eu profundo do Ser, quando se desarmonizou com o opositor que ora enfrenta e desafia para o duelo covarde.
Em outras oportunidades, em que sua inferioridade se projeta, e não se sente devidamente capaz de competir contra valores significativos que não possui, cultiva internamente a antipatia que se avoluma a cada dia, transformando-se em fúria incontrolável que somente se aplaca quando está lutando contra aquele que o atormenta mesmo que este não saiba, que nada tenha contra ele, pois que até ignora a situação infeliz de seu oculto adversário.
Se por acaso, tiver a oportunidade de se harmonizar com o inimigo, não o perdoa interiormente, embora, seja na verdade, o maior merecedor de perdão ruminando o que considera sua derrota, até encontrar novos argumentos para dar prosseguimento à sanha doentia de vingança, impelido pela sua libido atormentada.
Aqueles que se apóiam em mecanismos vingativos sempre foram vitimas de repressão infantil e juvenil, sentiram-se desprezados pelo grupo social e transferem agora suas frustrações para quaisquer outros, desde que isto lhes transformem em pessoas portadoras de poder e ambiciosos dirigentes de qualquer coisa, em que a personalidade doentia passa a ser homenageada, fruindo de destaque, embora a conduta esquizóide, maneirosa, falsamente humilde, ou pretenciosamente dominadora.

Conseqüências prejudiciais da vingança
Os indivíduos que assim procedem, levados pelo sentimento desequilibrado e doentio da vingança, estarão sempre sujeitos a esgares ou convulsões epilépticas, ou mesmo a simples ausências, tornando-se personalidades psicopatas perigosos, traiçoeiras, que sabem simular muito bem os sentimentos íntimos e urdem planos macabros sob o açodar da psique ambivalente, doentia, e com predomínio da faceta mórbida.

Ação salutar de combate

Todo um trabalho psicoterapêutico, deve ser utilizado como proposta de recuperação para pacientes dessa natureza, remontando a uma psicanálise que lhe chegue à infância, de forma a erradicar pela catarse os traumas e conflitos arraigados, procurando assim alterar-lhe a conduta pessoal com base em novos valores que lhes serão apresentados de maneira afável e duradoura, não raro com a ajuda também de terapia psiquiátrica para a remoção de possíveis extratos epilépticos ou esquizofrênicos, que se fazem necessitados de fármacos e barbitúricos específicos.

Ação eficaz do Amor

O amor, que tudo fazem para não desenvolver, é-lhes de grande valia, embora reajam inicialmente com desconfiança, e ambivalência de conduta, gera no enfermo um clima de simpatia e amizade, normalmente difícil de ser estruturada, em razão dos muitos tormentos que o avassalam. Pois todos sabemos que só amor cobre a multidão de pecados.
No Capítulo XII do Evangelho Segundo o Espiritismo, Instruções dos Espíritos, item 9 A Vingança, o Espírito Júlio Olivier, nos esclarece: “Ah! o covarde que se vinga, é assim cem vezes mais culpado do que o que enfrenta seu inimigo o insulta em plena face”.
E continua; “Fora, pois com esses costumes selvagens! Fora com esses processos de outros tempos! Todo espírita que ainda hoje pretendesse ter o direito de vingar-se seria indigno de figurar por mais tempo na falange que tem como divisa: Sem caridade não há salvação! Mas, não, não posso deter-me a pensar que um membro da grande família espírita ouse jamais, de futuro, ceder ao impulso da vingança, senão para perdoar”.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

REFORMA ÍNTIMA


João Batista Armani

Muitos são os motivos que nos levam à Casa Espírita: Pelo amor, pela dor, convite de alguém, hoje pela razão, etc...

E o que acontece? Assistimos palestras, recebemos o passe, tomamos água fluidificada e vamos embora. Somos espíritas apenas dentro da Casa Espírita, estas atitudes irão se repetir por longo tempo. Mas à medida que vamos estudando e compreendendo melhor os ensinamentos espíritas, sentimos que necessitamos nos integrar mais nas ações de reforma moral da sociedade, e nada melhor para fazermos isso do que iniciando por nós mesmos, ou seja, que sejamos espíritas na convivência com o mundo, e isso nos leva à nossa reforma moral.

Todo espírita estudioso caminha neste sentido, porque compreende que o Espiritismo como filosofia busca atingir o seu mais nobre objetivo, que é a reforma moral da criatura.

A grande maioria dos livros escritos pelas vias mediúnicas são ricos de ensinamentos e verdadeiros tratados de saúde mental, com uma terapia baseada no Evangelho de Jesus e na Codificação Kardequiana.

Livros como: “Auto Conhecimento”, “O Homem Integral”, “O Ser Consciente”, “Espelho D’alma”, “Momentos de Renovação” e outros não necessariamente espíritas, nos indicam a importância da Reforma Íntima, ou renovação de atitudes, como fator essencial para alcançarmos o progresso moral e espiritual, visando à nossa felicidade relativa.

Duas afirmativas nos chamam à reflexão:

1. Renovação de atitudes...

Um jovem foi ao médico, queixando-se de dores abdominais. Tendo sido atendido pelo médico, este atencioso, realizou exames, fez entrevistas, e ao final chegou ao diagnóstico: Cirrose hepática, doença do fígado por ingestão de bebida alcoólica. Enfermidade conhecida e facilmente tratável, receitou um tratamento, onde o paciente deveria tomar uma medicação, fazer caminhadas diárias, ao final da caminhada realizar algumas ginásticas. O paciente saiu satisfeito pois veria-se livre de suas dores. Ao final de um mês, retornou novamente o paciente ao consultório médico, onde o doutor o atendeu solícito.

Há doutor! O tratamento não deu resultado, pois continuo a sentir dores. O profissional estranhou, pois tinha confiança em seu diagnóstico, mas voltou a examiná-lo.

- O senhor tomou o remédio que lhe receitei? Sim senhor doutor, certinho, três vezes ao dia!

- O senhor fez as caminhadas para melhorar a circulação? Cinco quilômetros todos os dias doutor!

- O senhor fez as ginásticas como recomendado? Uma hora diária após as caminhadas doutor!

- O senhor parou de beber? Não doutor... doutor continua doendo...

A medicina terrena trata das enfermidades do corpo físico, o Espiritismo trata das enfermidades do espírito (estando ele encarnado ou não). O médico nos escuta, analisa, faz exames e nos recomenda um tratamento. A Casa Espírita, nos escuta, analisa, consola, e também nos recomenda mudanças de atitudes; mas esta vai mais além em nosso benefício, pois nos fornece o passe magnético, a água fluidificada e em alguns casos tratamentos de desobssessões.

Mas assim como no caso do paciente enfermo, se quisermos melhorar, cumpre que façamos a nossa parte mudando as nossas tendências negativas, ou ficaremos indefinidamente tomando remédios, realizando caminhadas, fazendo ginásticas, recebendo passes, tomando água fluidificada...

Emmanuel, em uma de suas mensagens no diz: “O pastor conduz o seu rebanho, mas são as ovelhas que andam com as próprias pernas”.

2. Felicidade relativa...(Em virtude da afirmativa de Jesus – “A felicidade não é deste mundo” Bíblia/Eclesiastes, Evangelho Segundo o Espiritismo/ Capítulo V, item 20). Analisando esta afirmativa do Cristo apenas pela letra que mata e não pelo espírito que vivifica, muitos apressados, inimigos do estudo e cultores do negativismo atribuem que estamos na Terra para sofrer, que este é um vale de lágrimas, aqui só há dores e aflições, etc. Semelhantes afirmativas são no mínimo equivocadas e inconseqüentes, pois espalham o desânimo, pessimismo, descrença, resignação incondicional. A nossa razão nos mostra que podemos e temos momentos felizes mesmo no estágio evolutivo em que nos encontramos, pois quem não fica feliz com um casamento? O nascimento do primeiro filho? Uma formatura? O primeiro emprego? No aniversário, receber aquele presente tão esperado? Jesus, profundo conhecedor, não iria contrariar as Leis Naturais, negando estes fatos. Ele se referia tão somente à felicidade plena, que é atributo apenas dos Mundos Felizes e Angélicos.

Sabemos então que para evoluirmos espiritualmente temos que realizar a nossa Reforma Íntima, mas algumas perguntas nos assaltam:

· O que é Reforma Íntima? Ela deve ser compreendida como a chave mestra para o sucesso de sua melhora interior e, conseqüentemente, da sua felicidade exterior.

· Para que serve? Renovar as esperanças interiores tendo por meta o fortalecimento da fé, a solidificação do amor, a incessante busca do perdão, o cultivo dos sentimentos positivos e a finalização no aperfeiçoamento do ser.

· O que fazer? Realizar atos isolados, no dia-a-dia levando-nos a melhorar as nossas atitudes, alterando para melhor a nossa conduta aproximando-a tanto quanto possível do ideal cristão.

· Por onde começar? Pela auto crítica.

· Como fazer a reforma íntima? Bem .....

(Cairbar Schutel – “Fundamentos da Reforma Íntima” Abel Glaser).

Embora uma linha de pensadores espíritas entenda que os meios de o conseguir é obra e esforço de cada um, as obras literárias estão repletas de indícios e dicas.

Em “O Livro dos Espíritos” no capítulo Conhecimento de si mesmo, à pergunta 919, Allan Kardec questiona aos Espíritos:

- Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

“Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”

Allan Kardec, profundo conhecedor das deficiências humanas, investiga mais a fundo no desdobramento da questão acima.

919a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?

“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar...(SANTO AGOSTINHO).( O Livro dos Espíritos - Allan Kardec)

Parece resultar daí que o conhecimento de si mesmo é, a chave do progresso individual.

(esta é uma tarefa que compete a cada um individualmente).

Ocorre-nos lembrar de Benjamin Franklin, Estadista, escritor e inventor norte americano (inventor do para-raio, Boston 17-01-1706 - Filadélfia 17-04-1790).

Benjamin Franklin era um tipógrafo na Filadélfia homem fracassado e cheio de dívidas, achava que tinha aptidões comuns mas acreditava que seria capaz de adquirir os princípios básicos de viver com êxito, se pudesse apenas encontrar o método certo. Método este encontrado e relatado em seu livro a “Autobiografia de Benjamin Franklin” (1771-1788).

Benjamin Franklin, em sua juventude era um homem de muita inteligência e perspicácia, apesar de ter estudado apenas até o segundo ano primário. Era hávido por conhecimento e lia muito, estudava e escrevia ensaios e poesias. Estudava sobre tudo que lhe interessava, principalmente sobre os grandes vultos da história de todos os tempos. Por isso mesmo tinha uma grande cultura e um conceito moral muito rígido, e cobrava-se muito, bem como, cobrava aos outros a mais correta e ilibada conduta. Em suas reuniões sociais, tecia críticas francas e ácidas sobre todos os deslizes de seus colegas, sentindo um prazer mórbido em derrotar verbalmente aos seus oponentes, fato que ao longo do tempo foi deixando-o só e isolado nas reuniões a que eram “obrigados” a convidá-lo pelo seu cargo político.

Sentindo o peso deste isolamento, em conversa com um amigo muito chegado, comentou esta aversão das pessoas de seu convívio.

Tendo sido localizada a causa deste sentimento de aversão, com uma tenacidade que só as almas valorosas possuem, empreendeu luta acirrada ao combate às suas imperfeições.

Mas por mais que se esforçasse, controlava uma imperfeição mas caía invariavelmente em outra, quando esta outra recebia a sua atenção novo deslize fazia-o tropeçar, e a situação não avançava. Era como se estivesse tentando reter água com as mãos que, não obstante, escorria por entre seus dedos.

O isolamento continuava e até acentuava-se.

Lembrando-se das habilidades bélicas de Napoleão Bonaparte, que adotava a estratégia de “dividir para vencer”, de espírito inventivo, Franklin imaginou um método tão simples, porém tão prático, que qualquer pessoa poderia empregá-lo.

Franklin escolheu treze princípios que julgava ser necessário ou desejável aprender e procurar praticar. Escreveu-os em pequenos pedaços de cartolina, com breve resumo do assunto, e dedicou uma semana da mais rigorosa atenção a cada um desses princípios separadamente. Desse modo, pode percorrer a lista toda em treze semanas, e repetir o processo quatro vezes por ano.

Quando passava ao princípio seguinte não esquecia os anteriores, e cada vez que se pegava em falha, fazia uma pequena marca no verso do cartão, assim no retorno àquele princípio dedicava maior atenção e esforço.

Manteve em segredo o que estava fazendo, pois receava que os outros se rissem dele. (é triste constatar que até aos dias de hoje nos vangloriamos de atos incorretos, falcatruas, engodos, vícios que cometemos, mas temos vergonha de admitirmos que estamos tentando melhorar praticando alguma virtude).

Ao fim de um ano Franklin havia completado quatro cursos, e constatou que já buscava com naturalidade o controle de suas falhas, apesar de estar longe de dominar com perfeição qualquer daqueles princípios.

Este procedimento deu tão certo que Franklin utilizou-o ao longo de toda a sua vida, embora mudando os princípios uma vez já tendo controlado aquela deficiência combatida.

Os treze princípios de Benjamin Franklin eram

(Autobiografia de Benjamin Franklin): (tais como escreveu e na ordem que lhes deu)

Temperança – Não coma até o embotamento; não beba até a exaltação.
Silêncio – Não fale sem proveito para os outros ou para si mesmo; evite a conversação fútil.
Ordem- Tenha um lugar para cada coisa; que cada parte do trabalho tenha seu tempo certo.
Resolução – Resolva executar aquilo que deve; execute sem falta o que resolve.
Frugalidade – Não faça despesa sem proveito para os outros ou para si mesmo; ou seja nada desperdice.
Diligência – Não perca tempo; esteja sempre ocupado em algo útil; dispense toda atividade desnecessária.
Sinceridade – Não use de artifícios enganosos; pense de maneira reta e justa, e, quando falar, fale de acordo.
Justiça – A ninguém prejudique por mau juízo, ou pela omissão de benefícios que são dever.
Moderação – Evite extremos; não nutra ressentimentos por injúrias recebidas tanto quanto julga que o merecem.
Asseio – Não tolere falta de asseio no corpo, no vestuário, ou na habitação.
Tranqüilidade – Não se perturbe por coisas triviais, acidentes comuns ou inevitáveis.
Castidade – Evite a prática sexual sem ser para a saúde ou procriação; nunca chegue ao abuso que o enfraqueça, nem prejudique a sua própria saúde, ou a paz de espírito ou reputação de outrem.
Humildade – Imite Jesus e Sócrates.
A quantos desejarem experimentá-lo, sugere-se analisarem-se, buscando aquelas deficiências mais comuns e corriqueiras, que sabemos possuir, ou as qualidades que não temos mas que gostaríamos de ter, adaptando o método às necessidades e interesses de cada um. Ao alcançar uma conquista, alterar a meta, buscando por outra, que vão surgindo ao longo do tempo, mas cuidando sempre para que não incorram em recaída.

Este não é o primeiro e nem será o último método inventado, que visa à melhoria das pessoas através da reforma íntima, mas com certeza, nos aponta mais uma alternativa palpável e simples, que está ao alcance de quantos tiverem a coragem e a vontade firme de empreender esta luta íntima na escalada evolutiva.

Não é um caminho fácil. Não existe caminho fácil. Mas é um caminho seguro.

Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, no capítulo XVII, SEDE PERFEITOS, Allan Kardec escreveu:

“Reconhece-se o verdadeiro Espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que emprega para domar as suas más inclinações”.

Na Bíblia em “O Novo Testamento”, Tiago em suas epístolas nos adverte: “Fé sem obras é estéril”.

Que Jesus nos ilumine e guie.

Muita paz.

Bibliografia:
O Evangelho Segundo o Espiritismo. (Allan Kardec).
O Livro dos Espíritos. (Allan Kardec).
O Homem Integral.( Divaldo Pereira Franco – Joanna de Angelis).
Autobiografia de Benjamin Franklin.
Fundamentos da Reforma Íntima. (Abel Glaser – Cairbar Schutel)
Florianópolis
Related Posts with Thumbnails